Ainda sobre o memorioso…

Estou lendo um livro interessante: Total Recall (traduzido para o Português como O Futuro da Memória), de Gordon Bell & Jim Gemmell, ambos da Microsoft Research, publicado no Brasil pela Editora Campus (Rio de Janeiro, 2010). Ele se liga bem ao tópico de meu último post, “O memorioso e o pensoso”.

No post anterior havia citado o Ombudsman da Folha dizendo isto:

“A Internet tem criado vários problemas para a sociedade e para o jornalismo, que precisam ser enfrentados com decisão e presteza em nome do bem comum. Um deles é o dessa memória coletiva inapagável. Um livro recente de Viktor Mayer-Schönberger, da Universidade Nacional de Cingapura, trata do assunto. Mostra como a humanidade passou em poucos anos de uma situação milenar em que o esquecimento era a regra e recordar era o desafio (e para superá-lo criaram-se instrumentos como cantos, poemas, livros, jornais) para a [situação] atual, em que lembrar de quase tudo se tornou o padrão e esquecer é quase impossível.” [Ênfase acrescentada por mim].

O livro que estou lendo diz, na p.3 da edição brasileira:

“E se você jamais esquecesse de coisa alguma e tivesse completo controle sobre o que se lembrar e de quando aconteceram as coisas?”

Mais adiante, na p.8:

“. . . A capacidade de memória digital cresce com mais rapidez do que nossa capacidade de recuperá-la. No passado você precisava ser extremamente seletivo e cuidadoso quanto aos dados que deveriam ser guardados. Você tinha de ser econômico com seus fragmentos eletrônicos de informação – ou bits, como os chamamos. Contudo, a partir de 2000, começou a ser trivial e barato guardar imensa quantidade de dados. O difícil já não é decidir o que guardar, mas como armazenar as informações de modo organizado, como classificá-las, acessá-las e ordená-las de modo que façam sentido.”

Continua, na p.11:

“Considere  o fato de que atualmente quase toda transação financeira que você executa – depósito, retirada, pagamentos com cartão de débito ou crédito – é registrada eletronicamente como um único evento”.

Com base no número de seu CPF, já é possível consolidar quase toda a sua vida econômica. Você teria de deliberadamente viver na clandestinidade para que isso não acontecesse com você…

E assim vai. Vale a pena ler. O Prefácio do livro é de Bill Gates.

Em Salto, 20 de Fevereiro de 2010

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: