História de Lucélia, SP: Cidade em que Nasci

[Texto transcrito do site da Câmara Municipal da Lucélia. Vide mais informações no final]

Lucelia - foto 01[Vista parcial da cidade, com a Matriz ao centro]

1. Início da Colonização

Formado em engenharia civil em 1914, Luiz Ferraz de Mesquita iniciou sua atividade profissional, na demarcação judicial das terras da Fazenda Monte Alegre à margem direita do Rio do Peixe, quando a Estrada de Ferro Sorocabana atingia com suas linhas, em tráfego, a cidade de Assis, Monte Alegre é denominação vaga que servia para designar todas as terras entre o Rio do Peixe e Aguapeí aproximadamente até Bastos até a barraca do Rio Paraná.

 O trabalho de demarcação terminou em 1918 e ele recebera terras como pagamento de seus serviços. Na abertura de uma das picadas, quando atravessavam um dos afluentes do Rio do Peixe, perderam-se três balizas, então o denominaram de Ribeirão Baliza. Ainda em 1918 empreendeu Luiz Ferras de Mesquita a primeira abertura de uma clareira na mata virgem à margem esquerda do Ribeirão Baliza, onde se localizaram as primeiras famílias chefiadas pelo patriarca Benedito Lopes. Todavia, a colonização da referida região foi iniciada praticamente por volta de 1927, quando o Dr. Luiz Ferraz de Mesquita iniciou a abertura e formação da Fazenda Baliza e a seguir de Santa Cecília. Nessa mesma época chegaram pela Sorocabana, imigrantes Russos e outros Eslavos que negociando com o Dr. Luiz Ferraz de Mesquita se estabeleceram nos bairros de Baliza e Água Grande. A gleba que ira formar a Fazenda Baliza e Santa Cecília foi ligada à José Theodoro (Martinópolis), de onde Luiz Ferraz de Mesquita passou a orientar e dirigir os trabalhos de desbravamento e colonização.

 Os colonos, principalmente estrangeiros que compravam terras de sua propriedade, tinham que parar no Baliza para iniciar a derrubada das terras que havia adquirido o que fez dela um patrimônio centro de colonização, tendo o Dr. Mesquita tendo que instalar uma serraria e uma máquina de beneficiar arroz.

 Em 1929, João de Arruda, abrindo uma clareira na mata virgem construindo o primeiro rancho, dando origem ao patrimônio chamado “Zona da Mata”, ou seja, a origem da atual Lucélia. Na realidade não passou de dez a doze casas e corresponde presentemente ao local ocupado pelo cemitério e algumas chácaras. A cidade de Lucélia, sede do município do mesmo nome não surgiu ao acaso mas de um plano urbanístico e econômico racional idealizado pelo engenheiro Luiz Ferraz de Mesquita. Parece que para não arcar sozinho com toda a responsabilidade de vendas de lotes, procurou associar-se ao Sr. Max Wirth e a C.A.I.C. (Companhia de Agricultura, Imigração e Colonização). Em 1939, se deu a fundação de Lucélia, no município de Martinópolis 6 Km do distrito de Baliza.

 Feito o traçado da cidade, ergueu-se na avenida principal que é ponto mais alto do espigão divisor das águas do Peixe e Aguapeí, uma capelinha em 24 de junho de 1939 foi realizada a primeira missa do povoado pelo padre Gaspar Cortez Aguilar.

 Lucélia desenvolveu rapidamente em virtude econômicas das terras. É curioso observar que até 1944 as terras de Lucélia pertencia às comarcas de Araçatuba, Guararapes, Martinópolis, Tupã e Valparaíso. A própria povoação estava assim dividida: do lado direito da avenida Internacional, do início até a atual praça José Firpo, pertencia ao município de Guararapes; continuando até onde estava a Indústria de Óleo Granol, pertencia ao município de Valparaíso. Do lado esquerdo da avenida Internacional do início até a altura da Granol pertencia ao município de Martinópolis.

 Graças ao prestígio do seu fundador, Lucélia foi elevada de uma só vez à categoria do Distrito de Paz, Município e Comarca pelo Decreto Lei Nº 14.334 de 30 de novembro de 1944. O município de Lucélia foi criado com sede no povoado do mesmo nome e com terras desmembradas dos municípios de Andradina, Valparaíso, Guararapes, Martinópolis, Presidente Prudente, Presidente Bernardes, Santo Anastácio e Presidente Venceslau. O referido município contou inicialmente com os Distritos de Paz de Aguapeí do Alto (Flórida Paulista), Guaraniúna (Pacaembu) e Gracianópolis (Tupi Paulista).

 A partir de 1939, Luiz Ferraz de Mesquita fez de tudo por Lucélia e conseguiu oito estradas convergentes, sendo três de acesso à Estrada de Ferro Sorocabana (Rancharia, Martinópolis, Presidente Prudente), três para a estrada de Ferro Noroeste (Valparaíso, Guararapes e Araçatuba) e as duas de saída e chegada pelo espigão da Companhia Paulista.

 Com a elevação de Lucélia a município na época da Ditadura o seu primeiro prefeito foi por nomeação do interventor estadual, que na época era o Sr. Adhemar Pereira de Barros concunhado do Dr. Mesquita em que recaiu a nomeação de prefeito.

Desde a elevação de Lucélia a município, somente o Dr. Luiz Ferraz de Mesquita fora nomeado Prefeito pelo Interventor Estadual (Governador do Estado). Todos os demais foram eleitos democraticamente.

2. Fundador de Lucélia

LUIZ FERRAZ DE MESQUITA, fundador da cidade, foi um verdadeiro bandeirante dos tempos modernos.

Nas primeiras décadas deste século, em pleno sertão bruto do noroeste do Estado de São Paulo, viveu acampado, em grandes trabalhos de geodesia.

Derrubou florestas e abriu estradas, trabalhos que lhe renderam como pagamento a área onde anos mais tarde pôde realizar o sonho de sua mocidade ativa e empreendedora: fundar uma cidade!

No final da década de 30, nas terras que ganhou, traçou os lineamentos de Lucélia.

Demarcou as ruas e as praças e iniciou o loteamento daquela que seria desde então “a pupila de seus olhos.”

Como fruto deste trabalho que o mantinha quase sempre distante de sua família, sustentou, na Capital sua prole numerosa – 10 filhos – educados e formados sob supervisão dedicada de sua esposa Cecília.

Da união da sílaba LU de seu nome e da sílaba CE do nome de sua esposa Cecília, acrescidos da desinência LIA, tão comum nas cidades da vizinhança, tais como Gália, Cabrália, Marília, surgiu o nome LUCÉLIA.

Tornada Comarca na década de 1.940, Luiz Ferraz de Mesquita foi seu primeiro prefeito municipal, ocorrendo na gestão, a primeira eleição para presidente da República, depois da ditadura Vargas, sendo eleito o Marechal Dutra.”

Faleceu em Lucélia no dia 14 de novembro de 1.960, deixando a viúva, os 10 filhos e mais de 30 netos… e a comunidade pela qual sonhou e viveu.

3. A Primeira Planta de Lucélia

Vejam na imagem abaixo, a primeira planta da cidade de Lucélia, elaborada pelo Dr. Luiz Ferraz de Mesquita

Lucelia - foto 02[Primeira planta da cidade de Lucélia]

Essa planta foi o documento utilizado pela empresa L.F. Mesquita quando se iniciou a venda de terrenos para a formação da cidade de Lucélia.

O Portal Nossa Lucélia agradece a família Galetti, na pessoa do Sr. Diógenes Galetti que gentilmente cedeu uma cópia desse documento e autorizou a publicação do mesmo.

A cidade de Lucélia, não surgiu ao acaso, mas de um plano urbanístico e econômico racional idealizado pelo engenheiro Luiz Ferraz de Mesquita. Em 1.939, deu-se a fundação de LUCÉLIA, no município de Martinópolis a 6 km do distrito de Baliza. O Dr. Luiz Ferraz de Mesquita foi o engenheiro incumbido da divisão e colonização das terras onde seria a cidade de Lucélia.

Com a área já estava totalmente demarcada, foi lançado um panfleto para divulgar a venda dos terrenos ao povo daquela época que desejavam se instalar na região no novo município de Lucélia.

O panfleto que dizia: “Lucélia, A cidade da terra boa” e “Quem vai adiante bebe água limpa”, tinha a responsabilidade de L.F. Mesquita, com sede à Rua Conselheiro Crispiniano, nº. 29 na cidade de São Paulo.

4. Um Distrito Chamado Baliza

[O texto nesta seção é do jornalista José Carlos Daltozo, com colaboração de Marcos Vazniac.]

Hoje é uma simples pastagem, cortada por um riacho assoreado denominado Baliza, mas já foi de grande importância para as cidades de Martinópolis, Lucélia e Osvaldo Cruz. Estamos falando do antigo distrito de Baliza, que pertenceu originalmente a Martinópolis e depois da emancipação de Lucélia, em fins de 1944, passou a ser distrito daquela cidade da Alta Paulista.

Quando surgiu o povoado de Califórnia, atual cidade de Osvaldo Cruz, este também passou a pertencer juridicamente ao distrito de Baliza, como bem informa o escritor José Alvarenga em seu livro Osvaldo Cruz – Achegas Históricas: “…a 16 de novembro de 1942, pelo decreto-lei estadual nº 13.050, a então Vila de Califórnia, sob a administração de Walter Wild, foi elevada à categoria de distrito de 2ª zona com sede em Baliza, no município de Martinópolis e comarca de Presidente Prudente.” Baliza era, então, um florescente povoado com várias residências, algumas casas comerciais, uma serraria, um clube esportivo, uma igreja Batista e uma Igreja Ortodoxa Russa, uma vez que ali residiam inúmeros eslavos. O motivo de ter existido, naquele povoado, vários descendentes de povos eslavos, é interessante.

Em recente visita à cidade de Lucélia, entrevistei alguns imigrantes eslavos e fiz um ligeiro apanhado histórico da chegada deles neste longínquo rincão do Brasil. Eles fugiam do comunismo e da pobreza reinante na então União Soviética e nos países satélites. Eram russos, ucranianos, romenos, búlgaros, entre outros, que ao chegar ao Brasil se espalharam por várias cidades do interior paulista. Ficaram sabendo da venda de terras em suaves prestações, por parte de Luiz Ferraz de Mesquita, que estava parcelando parte de sua fazenda de 2.735 alqueires, tendo a denominado Fazenda Baliza. Mesquita obteve essa fazenda como pagamento pelos seus serviços de agrimensor na demarcação de terras da gigantesca Fazenda Monte Alegre. Deu esse nome ao local porque perdeu três balizas de demarcação nas proximidades do ribeirão que cortava o loteamento rural. Ficava a cerca de 50 km. de Martinópolis, sede do município, pois naquela época nosso território avançava além do rio do Peixe, nossa atual divisa municipal com Pracinha, chegando até o espigão divisor Peixe-Aguapeí.

O povoado de Baliza era pequeno, mas a zona rural ao redor era formada de terras férteis, chegando a ter 2.756 habitantes. Segundo entrevista do autor deste artigo com Stepam Povliuki, em junho de 1997, para o jornal Folha da Cidade de Martinópolis, este relatou: “desci na estação ferroviária de José Teodoro, nome antigo de Martinópolis, no ano de 1932, me dirigindo ao povoado de Baliza, onde já haviam outros russos, uma vez que um capataz de uma fazenda nas proximidades era dessa nacionalidade e foi chamando os conterrâneos. Lembro que Baliza chegou a ter umas quarenta residências, cinco casas comerciais, uma igreja ortodoxa, uma farmácia, uma serraria e um cemitério. Hoje nada mais existe no local, todo mundo foi se mudando para Lucélia quando fundaram aquele povoado e venderam terras baratas. Sou nascido em Pitronska, na Bessarábia, atual Romênia, mas na época que nasci, em 1918, pertencia à Rússia. Tivemos muita dificuldade ao chegar no Brasil e, depois, na adaptação ao clima e costumes da nova terra, pois não conhecíamos lavouras de café, nem sabíamos como cultivá-lo. Também desconhecíamos a mandioca e frutas como banana, mamão e manga. Aqui era tudo muito diferente.”

No Histórico de Lucélia, fornecido pela Prefeitura daquela cidade, consta que a colonização de Lucélia foi iniciada por volta de 1927, quando o Dr. Luiz Ferraz de Mesquita iniciou a abertura e formação das fazendas Baliza e Santa Cecília. Nessa mesma época chegaram pela E.F. Sorocabana, imigrantes russos e outros povos eslavos que, negociando com o Dr. Mesquita, se estabeleceram nos bairros de Baliza e Água Grande. A gleba foi ligada por uma estrada de rodagem ao povoado de José Teodoro (atual Martinópolis), de onde o Dr. Mesquita passou a orientar e dirigir os trabalhos de desbravamento e colonização. Os estrangeiros que compravam terras tinham que parar em Baliza para iniciar a derrubada da mata, o que fez dela um patrimônio centro de colonização, com a instalação de uma serraria e uma máquina de beneficiar arroz.

A cidade de Lucélia, fundada em 1939, a seis quilômetros do distrito de Baliza, mas ainda dentro do município de Martinópolis, foi fruto de um plano urbanístico e econômico racional, numa associação de Luiz Ferraz de Mesquita com Max Wirth e a CAIC – Companhia de Agricultura, Imigração e Colonização.”

Lucélia tem um histórico curioso em seus primeiros anos de vida, quando era um insipiente povoado e seu território fazia parte de Martinópolis. Os comerciantes estabelecidos no lado esquerdo da atual Avenida Internacional pagavam seus impostos à Prefeitura de Martinópolis, enquanto parte dos comerciantes estabelecidos no lado direito pagavam para a Prefeitura de Valparaíso e outra parte para a de Guararapes.

A avenida, situada exatamente no espigão divisor dos rios Peixe-Aguapeí, foi implantada exatamente na fronteira dos territórios dessas três cidades, uma da região Alta Sorocabana e duas da região Noroeste. O Decreto 9.775, de 30.11.1938, que criou o Município de Martinópolis, foi publicado no Diário Oficial de 19.12.1938 e menciona, no final, a criação de Baliza com as seguintes confrontações: “O distrito de paz de Baliza, que fica criado, terá as seguintes divisas internas, com a sede do município de Martinópolis: começam no rio do Peixe, na foz do Ribeirão da Confusão e descem por aquele até a barra do ribeirão dos Ranchos.” Do outro lado, como dissemos anteriormente, ia até o espigão divisor dos rios Peixe-Aguapeí. Uma entrevista realizada há poucos meses com Jorge Cavlak, nascido em Baliza e atualmente residindo em Lucélia, esclarece que na realidade haviam dois pequenos povoados, um ao redor do ribeirão Baliza, no local onde passava a estrada de rodagem de Martinópolis para Lucélia, e outro um pouco mais adiante, no ribeirão Água Grande. Mencionou vários nomes de pequenos proprietários eslavos que residiam em sítios vizinhos ao povoado e à estrada de rodagem. O sítio mais próximo à estrada era de Stefan Paley, no sítio ao lado moravam os Trukshen, em seguida vinham os sítios de Inácio Brichiuk, Simão Popik e por último Demétrio Bastinvadji. Do outro lado do ribeirão, fazendo fronteira com esses proprietários, havia os sítios de Nicolau Uzum, Jorge Delive, Basílio Greck, Hartion, Afanásio, Jeremias Posledniak, Profor, Jacob e por fim Demétrio Cavlak.

Terminando os sítios havia a fazenda do Dr. Mesquita. Nos fundos dos sítios dos primeiros citados, havia os sítios de Jorge Mueulik, Jorge Puskof, Basílio Kirkoff e João Berholf. Do outro lado da estrada só havia dois pequenos proprietários, Stepan Pavioliuk e Pedro Peikof, em seguida vinham as terras pertencentes à fazenda do Dr. Zeferino Veloso. Jorge Cavlak informou também que a igreja próxima à estrada, dentro do sítio dos Paley, era protestante (Batista) e que a Igreja Ortodoxa Russa ficava um pouco mais distante, na propriedade de Jeremias Posledniak. Um padre russo visitava essa igreja poucas vezes por ano, devido à distância da ferrovia e a precariedade das estradas. As recordações que ele tem do pequeno povoado de Água Grande são poucas, ficava distante dois quilômetros de Baliza, em direção de Lucélia. Recorda-se da existência de apenas uma casa comercial, uma serraria e um clube social e esportivo com o nome de ABC. Ambos, Baliza e Água Grande, desapareceram com o crescimento de Lucélia, principalmente depois da chegada da Companhia Paulista de Estradas de Ferro e os atrativos e oportunidades de uma cidade em franco desenvolvimento. Todos os eslavos foram vendendo, aos poucos, suas propriedades rurais e mudando para Lucélia, até extinguir os dois povoados.

A mãe do Jorge, Dona Helena, bastante idosa mas ainda muito lúcida, informou que nasceu na Bulgária, acompanhou seu marido no desbravamento da região de Baliza, onde morou muitos anos. O que mais se recorda são as festas rurais, onde as mulheres podiam se alegrar um pouco. Isso porque os homens, mesmo trabalhando de sol a sol nas lavouras, iam aos jogos de futebol nos finais de semana, ou jogavam baralho, bebiam, viajavam para Martinópolis buscar mantimentos, vender porcos, galinhas etc. As mulheres, no entanto, passavam a maior parte de suas vidas trancadas em casa, costurando, bordando, fazendo comida, cuidando dos filhos. Os bailes e as cerimônias religiosas eram as únicas oportunidades que tinham de se divertir um pouco.

O jornalista Marcos Antonio Vazniac, do jornal Gazeta Regional, editado em Lucélia, também é descendente de eslavos e sempre que consegue algumas fotos antigas, publica-as no jornal onde trabalha, na seção Recordando.

Outro morador de Lucélia, o professor Jeová Severo da Silva, escreveu uma monografia de conclusão de curso de Geografia na Unesp de Presidente Prudente sob o tema “Lucélia-SP, do início ao meio: uma análise da evolução do município”, onde também faz breve apanhado histórico sobre Baliza, considerando-a o berço de sua cidade.

Quem passar pela estrada vicinal que liga Lucélia ao novo município de Pracinha, em direção ao Rio do Peixe, verá um pequeno riacho assoreado, barrancos de dois metros de altura nas laterais, algumas árvores nas margens, terreno todo plantado com capim, alguns bois pastando, esse era o local onde existiam os sítios dos russos e demais eslavos, onde um povoado chamado Baliza foi formado, mas que desapareceu completamente a partir da década de 1950. Foi um povoado de grande valor histórico, pertenceu a Martinópolis muitos anos e tornou-se a célula mater de duas importantes cidades da Alta Paulista: Lucélia e Osvaldo Cruz. .

5. Baliza o Distrito que Desapareceu

[Texto escrito com a colaboração de Marcos Vazniac]

A duas léguas do Bairro BALIZA, no alto do espigão do Peixe/Aguapeí, acontecia muito rápido o nascimento de LUCÉLIA. E com isso, começava o desaparecimento do Bairro Baliza.

Nada mais existe no local, nem vestígios de construções. Apenas um rio chamada Baliza, que separa Lucélia de Pracinha. Nas margens desse rio é que existia o povoado.

A reportagem da Folha da Cidade de Martinópolis, esteve no local em 1997 e encontrou um remanescente, um senhor de origem russa, Stepan Povliuk que apesar dos 79 anos, ainda lúcido, contou o que sabia.

“Na época que vim para José Theodoro (nome antigo de Martinópolis), em 1932, já havia uma colônia russa no local chamado Baliza. Ainda nem se pensava que existiria a cidade de Lucélia.

O motivo de se juntarem muitos russos naquele local é que havia um capataz de uma fazenda dessa origem e foi chamando os demais, espalhados em várias cidades do interior paulista. Lá nas margens do rio Baliza, chegou a ter umas quarenta residências, cinco casas comerciais, uma igreja ortodoxa, cemitério, farmácia, uma serraria e hoje nada mais existe. Todos venderam seus lotes baratos e mudaram-se para Lucélia, quando abriram o novo povoado. Só eu estou ainda aqui, neste sítio. Sou nascido em Pitronka, na Bessarábia, atual Romênia. Quando nasci (27.10.1918), minha cidade pertencia à Rússia.

A vida naquele tempo era uma dificuldade. Na roça, nosso povo não estava acostumado com lavouras do tipo que se plantava aqui. Foi difícil se acostumar com mandioca, café, banana, mamão, manga. Era tudo desconhecido para nosso povo. Mas sobrevivemos e alguns descendentes hoje moram em Lucélia”.

6. Colônia de Imigrantes Eslavos foi Pioneira em Lucélia

A história de nossa cidade data alguns anos antes de sua emancipação política ocorrida em 1.944.

Um grupo de imigrantes Eslavos (russos, romenos, búlgaros e ucranianos) construíram um povoado situado no Bairro Baliza.

Ali construíram suas casas incluindo um cemitério, mas a colônia dos eslavos não prosseguiu.

Com a fundação de Lucélia, o Bairro Baliza desapareceu e nada restou no local. Os moradores desta colônia acabaram mudando para outras cidades como São Paulo, Campinas, Maringá e Curitiba.

Um destaque sobre a colônia eslava do Bairro Baliza, é que os imigrantes oriundos da Rússia, não aprenderem a falar nossa língua, e os filhos destas famílias lembravam muito a “Mãe Rússia”.

Parte da memória da imigração destas famílias para o Brasil e consequentemente para Lucélia, devem estar nos arquivos do Museu da Imigração em Santos e no Rio de Janeiro, ou em outros países como Canadá, EUA, França e Alemanha, visto que estes imigrantes quando vinham para o Brasil, pensavam que estavam indo para a América do Norte (Canadá e EUA), pois parte de seus pertences foram transferidos para outros navios que iam até aos países da América Anglo-Saxônica.

Estas famílias embarcavam nos portos de Hamburgo e Marselha. Cada embarcação marítima ganhava por pessoas que transportavam.

7. Comarca de Lucélia

A instalação da Comarca de Lucélia aconteceu em 13 de junho de 1945. O primeiro Fórum Av. Internacional, no prédio onde hoje funciona a Coletoria e Juizado de Pequenas Causas.

O prédio atual do Fórum, lugar definitivo do Poder Judiciário, tem sua marca inicial no ano de 1958.

O 1º Juiz de Direito da Comarca foi o Dr. Nelson Pinheiro Franco, e o 1º Promotor Público foi o Dr. Otan Olandim de Matos.

8. Prédios da Av. Internacional Preservam a História de Lucélia

Lucelia - foto 03[Centro de Lucélia: Av. Internacional, a mais importante da cidade]

A cidade de Lucélia começou a ser colonizada, como toda a região da Nova Alta Paulista, na década de 1920. Na época, o município recebeu a influência de diversas colônias de imigrantes europeus, que ajudaram na construção da futura cidade.

Lucélia teve sua colonização em uma época histórica e economicamente denominada “Ciclo do Café”.

Segundo o historiador e economista Caio Prado Jr., em sua obra “História Econômica do Brasil”, enquanto as cidades da Nova Alta Paulista estavam sendo povoadas, no declínio do ciclo cafeeiro, o Brasil entrava na industrialização. Em fotografias publicadas na imprensa local, percebe-se que a Avenida Internacional, em imagens da época, pouco mudou, se comparada aos dias de hoje.

A arquitetura do ciclo cafeeiro foi preservada – percebe-se esse fato, por exemplo, nas construções que abrigam as principais lojas da Avenida Internacional. As telhas francesas ainda cobrem o comércio daquela região, sem perder o estilo de décadas.

A Avenida Internacional difere das demais avenidas de Lucélia e de cidades da região, pois é a única avenida central de uma cidade que é torta, em forma de “S”. Existem algumas explicações para esse formato. Uma delas dá conta de que a avenida tem esse formato por não ter sido projetada no traçado original da cidade. Lucélia foi projetada na atual Vila Rancharia e a avenida central do município, era para ser a Avenida São Paulo – atual Avenida Vereador Jorge Mansur Filho.

Outra explicação é que a Avenida Internacional foi construída em um Espigão, que divide o município em dois, pois as águas das chuvas que caem naquela avenida acabam desaguando nos rios Feio e do Peixe, e a construção de uma avenida nas vilas Rennó e Rancharia seria inviável, pois sofreria, futuramente, com inundações.

Outra versão é que a Avenida Internacional era uma rua que ligava os municípios de Lucélia a atual Inúbia Paulista, e de que o comércio se estabeleceu rapidamente no local, transformando, mais tarde, a rua na principal avenida luceliense.

Muitos podem achar o trajeto da Avenida Internacional de pouca beleza, pelo fato de ser “torta”. Podem também achar que sua arquitetura é inferior à arquitetura das avenidas de cidades vizinhas, como Osvaldo Cruz e Adamantina. A favor de Lucélia pesa, no entanto, a sua história. Se as cidades históricas de Minas Gerais (Ouro Preto, Mariana, São João Del Rey, Sabará, etc.) preservam sua arquitetura colonial e são considerados patrimônios culturais e históricos da humanidade, recebendo turistas de todo o mundo, nossa população também deveria observar a Avenida Internacional e perceber, em cada metro quadrado, um pouco do seu passado histórico: a época dos grandes carnavais; do cinema; dos barões do café; dos desfiles memoráveis; a época em que Lucélia era pequena e suas ruas não eram pavimentadas, sem muito conforto, mas deixando no ar um pouco do seu “período colonial”.

9. Igreja Matriz

Lucelia - foto 04[A Matriz de Lucélia em construção]

Os primeiros vestígios de Civilização Cristã em nossa região, datam de 1.904, com o Frei Segismundo de Canazé, com a colaboração de outros frades capuchinhos que igualmente trabalharam na missão ao lado dos índios coroados e xavantes.

A primeira capela foi construída em 1935 pelos imigrantes alemães, sob a denominação Santo Antonio”, no Bairro Colônia Paulista.

Em 1939 foi edificada uma capela de madeira na Avenida principal de Lucélia.

Em janeiro de 1944, o então bispo de Cafelândia, Dom Henrique César Fernandes Mourão nomeou o Pe. Bernardo Reckers para desenvolver os trabalhos pastorais em Lucélia.

Em janeiro de 1945 foi iniciada a construção da casa paroquial, em terreno doado por Luiz Ferraz de Mesquita.

O Pe. Bernardo já residia em Lucélia quando o Monsenhor Victor Mazzei, vigário capitular da diocese de Cafelândia, publicou em 25 de maio de 1.945 o decreto de fundação da Paróquia Sagrada Família e confiou a ele o posto de primeiro vigário da nova comunidade.

junho de 1.946, foi lançada a primeira pedra para a construção da nova matriz, que em virtude de um forte vendaval, desabou ainda em construção.

Em 28 de outubro de 1.954, a paróquia foi entregue à Congregação Salesiana e as atividades religiosas foram transferidas para a capela do Ginásio Salesiano.

Em 25 de fevereiro de 1.955 foi lançada a pedra fundamental para a construção da atual Igreja Matriz.

No dia 19 de março de 1955, todas as atividades religiosas foram transferidas para o salão onde funcionou por muito tempo o Lucélia Futebol Clube.

A edificação da igreja teve um grande avanço a partir da posse em 06 de janeiro de 1957, do Padre FRANCISCO MAHR, que era engenheiro e foi quem planejou a atual Igreja Matriz.

A primeira missa na nova Matriz foi celebrada em 08 de janeiro de 1.960.

Outro fato muito importante na história da Igreja Matriz, é a data de 29 de março de 1.968, quando foi recepcionada em nossa cidade a imagem verdadeira de Nossa Senhora de Aparecida.

10. O Futebol Médio (Society) Foi Inventado em Lucélia

O FUTEBOL MÉDIO, também chamado futebol suíço ou futebol society, foi idealizado em Lucélia no ano de 1966, e reconhecido como invenção da Capital da Amizade, conforme Registro de Títulos e Documentos da Comarca de Lucélia, sob o n.º 185 do Livro B e, publicado no Diário Oficial do Estado, em Ineditoriais, na página 2, do dia 18 de março de 1978.

Seus fundadores são: Hamilton Di Stéfano e Paschoal Milton Lentini. Desta idealização, surgiu o esporte que hoje é praticado em todos os Estados do Brasil.

Nas grandes cidades, são jogadas partidas entre funcionários, empresários e a origem deste esporte está em nossa Lucélia, conforme registros do Tênis Clube de Lucélia, Jornal Folha de Lucélia, O Divulgador, Revista O Divulgador, Rádio Difusora de Lucélia e também a Rádio Bandeirantes de São Paulo, quando tivemos a honra de contar com a participação do ilustre radialista esportivo o Sr. Fiori Giliotti, que na época fez a divulgação a nível nacional.

São 18 as regras do futebol-médio, conforme regulamento oficial, registrado no Cartório de Registro de Títulos e Documentos da comarca de Lucélia, sob nº 185 do Livro B e, publicado no Diário Oficial do Estado em ineditoriais, na página 2, do dia 18 de março de 1978 .

De lá para cá, diversos torneios foram disputados em Lucélia, milhares de partidas são disputadas por esse Brasil afora, e se recordar é viver, temos que lembrar às novas gerações que este esporte praticado em todos os cantos do Brasil e do mundo, por artistas, cantores e atletas em geral, foi criado e idealizado em Lucélia.

11. Fundação do Aeroclube

Lucelia - foto 05[O Aeroclube de Lucélia]

Data de 1º de janeiro de 1.943, a fundação do Aeroclube de Lucélia, Sociedade Civil, com a finalidade de proporcionar aos associados a aprendizagem do exercício da aeronáutica em aeroplanos de pequeno e médio porte. Ao longo de sua existência o aeroclube jamais deixou de funcionar, formando pilotos de Lucélia, da região e principalmente de vários estados do Brasil, tais como Pará, Mato Grosso do Sul, Goiás, Paraná, entre outros.

Fundado por um grupo de pioneiros, tendo como principal colaborador Dr. Luiz Ferraz de Mesquita. fundador da cidade e primeiro prefeito nomeado.

Naquela oportunidade doou um terreno para ser o primeiro campo de aviação. Neste terreno, hoje está parte da Vila Rancharia.

O primeiro Hangar do Aeroclube de Lucélia (foto ao lado) foi construído em 1943. A pista de pouso era localizada na Vila Rancharia.

Hoje no local do Hangar está construído o Colégio Missionário das Irmãs de São José de Cluny (Colégio das Freiras).

De suas fileiras, saíram grandes nomes da aviação comercial que hoje pilotam Boeing e MD11. Nas épocas áureas, proporcionou emocionantes eventos aeronáuticos, com apresentação da esquadrilha da Fumaça, com os famosos aviões T-6M, comandados pelo não menos famoso Cel. Braga.

Seu Estatuto encontra-se registrado no 2º Cartório de Registro de Imóveis de Presidente Prudente, aos 18 dias do mês de janeiro de 1.943, pois naquela época Lucélia ainda não era Comarca.

 Lucelia - foto 06

[O Aeroclube de Lucélia já foi o terceiro do brasil em formação de pilotos]

Na década de 60, o Aeroclube de Lucélia era o terceiro do país em formação de pilotos. Neste período, o Aeroclube recebia jovens de diversas cidades do estado de São Paulo e também do Mato Grosso e Paraná que aprendiam a pilotar um avião aqui em Lucélia.

Neste período áureo, o Aeroclube foi destaque nacional, sendo fonte de inspiração para uma matéria jornalística na extinta Revista Realidade, da Editora Abril, que na época ao lado da Manchete eram as principais revistas do Brasil.

O repórter José Severo, acompanhado do fotógrafo Armando Chiodi, vieram para Lucélia com o objetivo de fazer uma matéria sobre o primeiro voo de um piloto. O jornalista da Realidade acabou tomando o banho de óleo e voltou com a matéria “VOEI”, onde relata passo a passo sua estadia em Lucélia, a vida cotidiana da pequena e jovem cidade da Nova Alta Paulista, seus personagens populares, intrigas e o dia a dia da aula de pilotagem que ele teve no Aeroclube de Lucélia, com o instrutor Cassimiro Anheschivich, mais conhecido como “Russo”.

Na reportagem, é relatado que o Aeroclube de Lucélia apresentava na época o maior índice de aprovação do interior do Brasil, ficando na honrosa terceira colocação, atrás apenas do aeroclube e da escolinha de São Paulo. Lucélia recebia estudantes de várias localidades. Todos os anos apareciam candidatos de todos os cantos do Brasil, sem dinheiro, sem bagagem e sem nada a prometer, apenas com o certificado de aprovação num exame teórico, pedindo que os ajudassem a ser piloto.

Esta fama de Lucélia possuir o melhor Aeroclube do Brasil era pelo preço cobrado, barato para a época. O preço por hora aula era três a quatro vezes inferior ao preço cobrado nas grandes cidades. O valor cobrado pelas aulas não cobria as despesas com gasolina e, a sobrevivência do Aeroclube se dava com rifas, quermesses e doações.

O repórter da Realidade recebeu instruções de voo com Cassimiro e também passou pela experiência de voar sozinho e tomar o tradicional banho de óleo.

Era costume logo após realizar seu voo solo, o piloto ser recebido com festa, tendo suas roupas rasgadas e acabar tomando banho de 20 litros de óleo, ficando com o corpo coberto

[Acréscimo 1 de Eduardo Chaves]

A fonte deste material está no Site da Câmara Municipal de Lucélia, no seguinte endereço.

http://www.camaralucelia.sp.gov.br/index2.php?pag=T1RVPU9EZz1PV0k9T1RrPU9UUT0=&&id=3]

Como se pode facilmente constatar, trata-se de um texto escrito por várias mãos. Em uma das seções dá-se crédito ao meu amigo, o jornalista José Carlos Daltozo, MTb 32.709, de Martinópolis, que, por sua vez, reconhece a colaboração de Marcos Vazniac. Em outra seção se reconhece a colaboração de Vazniac mas não se esclarece quem é o autor principal. Nas demais seções o texto não contém informação sobre o autor. Acredito que a grafia corretado distrito do qual surgiu Lucélia seja Baliza, e não Balisa, como constava em algumas passagens. Padronizei. Fiz outras pequenas correções ortográficas onde ficava evidente que se tratava de erro de digitação ou, então, para ajustar às peculiaridades do novo Acordo Ortográfico. As afirmações “ufanistas” são, naturalmente, de responsabilidade de quem as fez. Eu já havia publicado este texto em meu site http://lucelia.info, que, infelizmente, está fora do ar. Por isso o transcrevo aqui novamente.

[Acréscimo 2 de Eduardo Chaves]

Minha Certidão de Nascimento original dizia que nasci no “Patrimônio” (Lugarejo) de Lucélia, Distrito de Baliza, Município de Martinópolis, Comarca de Presidente Prudente. Lucélia nem era município naquela época. Com base nesse documento, todos os meus outros documentos (com uma exceção) dizem que nasci lá e, para mim, o assunto está encerrado. (A exceção é meu “Certificado de Conclusão do Curso Primário”, obtido em 1955, que diz que nasci em Martinópolis).

Na única vez que voltei a Lucélia, há cerca de 15 anos, tirei uma nova via da minha Certidão. Nela veio registrado certinho que “nasci na Comarca de Lucélia” (embora naquela época Lucélia nem Município fosse. Mas Lucélia já era Comarca quando essa cópia da minha Certidão foi emitida — por isso considerei que a informação registrada estava certinha.

Recentemente precisei de uma “cópia atualizada” da minha Certidão de Nascimento. Liguei para o Cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais da cidade, pedi uma cópia, paguei, e a recebi direitinho. Só que ela diz que nasci no Município de Martinópolis. Liguei para lá. Eis o que me explicou o Oficial. O pessoal do Governo Federal, que não faz outra coisa a não ser bolar coisas para prejudicar a vida dos cidadãos, resolveu padronizar os formulários de Registro de Nascimento, que, agora, vêm pré-impressos e contém (entre outros) os seguintes dizeres: “nascido no município de _____”. Ou seja: o Cartório agora não pode dizer mais que “nasci em Lucélia, Distrito de Baliza, Município de Martinópolis, Comarca de Presidente Prudente”. Tem de dizer que “nasci no Município de Martinópolis”. Azar deles: continuo nascido em Lucélia.

Transcrito aqui em Salto, 21 de Maio de 2014

Atualizado em São Paulo, 4 de Novembro de 2015

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: