Somos todos cartesianos?

Sou fã da música de Madeleine Peyroux. Gosto de seu estilo à la Billie Hoilday. Tenho todos os seus discos.

Li ontem (11/9/2007) uma entrevista dela a um órgão de imprensa brasileiro (acho que foi a Playboy que tem a Barbara Paz na capa — que, é bom que se registre, li no engraxate). (Há uma outra boa entrevista dela no site da Globo, em http://jg.globo.com/JGlobo/0,19125,VBH0-2927-62-123711,00.html, mas não é esta a entrevista a que me refiro).

Na entrevista que me interessa uma das perguntas foi:

"Você se acha bonita?"

A resposta dela:

"Me sinto bem no meu corpo. Mas não foi sempre assim".

(Cito de cór — as palavras podem não ser exatamente essas, mas, se não é isso, é quase isso).

Li também ontem, numa das revistas semanais que li, Veja ou Época, que um número significativo de adolescentes brasileiros (mais de 50%) simplesmente não está contente com seu corpo.

Será que somos todos cartesianos? Nós somos uma mente, um self, uma coisa pensante (res cogitans), e o corpo, que é uma res extensa, é algo que nós simplesmente temos (mas que não é parte necessária de nosso ser essencial)?

A resposta de Madeleine Peyroux mostra que ela acredita ser algo diferente de seu corpo. Ela diz que se sente bem nele — mas ao dizer isso reconhece que apenas está no seu corpo, não é o seu corpo…

Os adolescentes, também, afirmam não estar contentes com seu corpo — não dizem que não estão contentes consigo mesmos… O corpo deles é uma coisa, eles próprios, outra.

O pressuposto é de que no corpo eventualmente se pode dar um jeito (malhação, plástica) — ou, mesmo que não se dê um jeito nele, é possível aprender a viver bem nele.

Em Francês há uma expressão interessante: "Je me sens bien (mal) dans ma peau" — Sinto-me bem (mal) na minha pele. Na verdade, essa expressão é eufemística: o que ela quer dizer é "eu me sinto bem (mal) é no meu corpo".

Por que é que temos essa convicção, aparentemente tão enraizada, inarredável mesmo, de que não somos o nosso corpo — apenas o habitamos. e que aquilo que essencialmente somos é algo imaterial, incorpóreo e, portanto, intangível?

Não é preciso ser religioso e acreditar na imortalidade da alma para achar razoável a tese de que nós somos algo diferente de nosso corpo. É possível acreditar que, apesar não sermos o nosso corpo, estamos inseparavelmente ligados a ele, de tal modo que, quando ele morre, nós também cessamos de existir.

Em São Paulo, 12 de Setembro de 2007

Uma resposta

  1. Não seria porque a grande maioria das pessoas acredita que, além do corpo, possui espírito e alma, sendo este último o seu "eu" de fato?

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: