Educação e Ideologia

Trecho do artigo do Rubem Alves na Folha de S. Paulo de 13/4/2010, sobre um assunto que alimenta discussões constantes aqui neste Space:

———-

Como educador, considero que a tarefa mais importante das escolas é ensinar a pensar, e a ideologia é a negação do pensamento.

O que é pensar? Pensar é um processo mental que acontece quando nos defrontamos com um problema que a vida nos propõe e que precisa se resolvido. Pensamos para resolver problemas. Sem o desafio dos problemas, o pensamento ficaria dormindo, inerte. O pensamento, assim, acontece quando um "não saber" nos desafia. Se alguém se julga possuidor da verdade, não pensa. Pensar, pra que?

O que é "ideologia"? Ideologia é o oposto do pensamento. Ideologia é um conjunto de crenças tidas como verdade. Julgando-se possuidora da verdade, a ideologia torna desnecessário o trabalho de pensar. Ao invés de pensar, a ideologia repete as fórmulas. A ideologia, assim, tem a mesma função que têm os catecismos nas religiões. Catecismos são livros que contêm afirmações tidas como verdadeiras e que, por isso mesmo, devem ser aprendidas de cor e repetidas.
Lembro-me de uma experiência que tive logo que me tornei professor da Unicamp, lá pelo início da década de 70, quando a ideologia da esquerda sabia que "só o materialismo histórico é Deus e Marx, o seu profeta". Eu, sem conhecer direito as regras do jogo acadêmico, pus-me a conversar com um colega sobre ecologia e a crise ambiental -temas provocados pelo Clube de Roma- que eram assuntos proibidos pelo catecismo dominante.

Ele ficou em silêncio, mediu-me de alto a baixo e fulminou-me com uma verdade definitiva: "Tudo isso se resolve com a luta de classes…" Não era necessário pensar, porque a ideologia já tinha a resposta.

———-

Exceto pelo uso do verbo “ensinar”, que me causa ojeriza, assino embaixo.

Em São Paulo, 13 de Abril de 2010

  1. Assim, podemos dizer que o professor torna-se melhor educador quanto mais oferecer ao aluno e a si mesmo possibilidades de subverter aquilo que lhe é dado como pronto e certo?

    Curtir

  2. A maneira como o professor estimula o aluno a pensar, ela mesma, já reflete uma ideologia. A ideologia é, portanto, intrínseca ao ato de pensar. Não se pode pensar sem ideologizar. Ensinar implica um "como". E este "como" é um caminho que aponta uma direção. O que se pode fazer é levar o aluno a tomar consciência de sua ideologia assim como da cegueira que ela provoca. O que se pode fazer é levar o aluno a comparar e confrontar seu modo de pensar com o de outros, diferentes e até contrários. Talvez seja esta a melhor maneira de estimular o pensamento ou, como quer o autor, ensinar a pensar.

    Curtir

  3. Caro Wanderley,Não concordo com você quando você diz que a ideologia é "intrínseca" ao ato de pensar. E discordo também quando você sugere que a ideologia tem que ver com o "como" do pensar. Concordo, em relação à primeira questão, com o Millôr, que costuma dizer que "livre pensar é só pensar". A ideologia é a gaiola que impede o pensar de ser livre. A analogia se refere a algo que é verdadeiro e do qual temos necessidade. Embora haja várias ideologias que tentam engaiolar o nosso pensamento, e embora haja muitos que vivam confortavelmente em suas gaiolas, até alegando que todo mundo é um engaiolado, precisamos da liberdade — e, felizmente, pelo menos na área do pensamento, o temos. Não resta dúvida de que pensamos a partir de uma perspectiva. Um ponto de vista sempre é a vista de um ponto, disse alguém. Mas isso não quer dizer que não possamos mudar de perspectiva, mudar o lugar de que vemos as coisas. A gaiola-ideologia tenta nos impedir de fazer isso, só admitindo as mudanças de perspectiva que acontecem quando a própria gaiola é mudada de lugar (por quem, evidentemente, está fora dela)… Se é possível, como você admite, "levar o aluno a comparar e confrontar seu modo de pensar com o de outros, diferentes e até contrários", é possível desengaiolar-se, desideologizar-se, ver as coisas de uma perspectiva que não é ideológica, mas racional. O pan-ideologismo, como o ceticismo que se pretende absoluto, são atitudes "self defeating"… Um abraço. Estava com saudade de ver você aqui.

    Curtir

  4. Pingback: Os Views dos Meus Artigos Aqui, « Liberal Space: Blog de Eduardo Chaves

  5. Pingback: Top Posts of this Blog for all time ending 2014-04-14 with number of views « * * * In Defense of Freedom * * * Liberal Space

  6. Pingback: Top Posts of this Blog for all time ending 2014-04-14 with number of views « * * * In Defense of Freedom * * * Liberal Space

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: