A Idiotice do Protecionismo (especialmente no caso dos vinhos)

A temporada parece estar aberta para a indústria brasileira pedir proteção ao governo e para o governo tomar medidas protecionistas.

Isso é um desastre total e absoluto para os consumidores, como nós, e para aqueles cujos empregos estão vinculados à importação.

Para os consumidores, essa temporada representa produtos estrangeiros mais caros — ou desaparecimento deles, em virtude da proteção do governo brasileiro aos produtos nacionais.

Será que não aprendemos nada com a reserva de mercado de informática? Será que ninguém se lembra de quando tínhamos de comprar computadores vindos no mercado negro do Paraguai porque ninguém conseguia comprar os produtos nacionais, pelo seu preço exorbitante?

O que as vinícolas nacionais querem, para dar apenas um exemplo, é poder cobrar mais pelos seus vinhos ruins do que nós pagamos pelos vinhos bons dos chilenos e dos argentinos de Mendoza.

Como consumidor regular dos vinhos chilenos, argentinos e portugueses, EU PROTESTO.

Se as vinícolas brasileiras não conseguem produzir vinhos tão bons quanto os estrangeiros por preços comparáveis aos destes no mercado nacional (com Imposto de Importação, frete, e tudo), que fechem as portas.

Lembro-me dos seguintes exemplos.

Um vinho chileno razoável como Casillero del Diablo custa aqui no Brasil cerca de 30 reais a garrafa. Já é um preço caríssimo. Em Londres (muito mais longe do Chile do que o Brasil) paguei por ele 4,50 libras. Os produtores nacionais querem que esse vinho fique ainda mais caro no mercado nacional para que a gente se veja forçado a comprar os vinhos que eles produzem, piores, por esse preço…

O Periquita padrão de Portugal custa aqui também cerca de 30 reais. Em Portugal, local em que é feito, custa também 4,50 — agora euros, não libras.

O preço mais caro desses vinhos estrangeiros no mercado nacional, em relação ao preço que têm em outros países, já é caro por causa principalmente dos impostos brasileiros.

As vinícolas brasileiras, sabedoras de que governo gosta de cobrar mais imposto, pede que o governo aumente os impostos sobre os vinhos estrangeiros.

Os únicos que ganham com esse tipo de protecionismo (impostos mais altos para os importados, ou mesmo as absurdas cotas de importação) são o governo e os produtores nacionais de vinho. Por isso a Miolo e a Casa Valduga tão tentando descolar esse beneficiozinho (que não passa de prejuizão para nós).

Os consumidores brasileiros só se ferram. Terão de pagar mais caro pelo produto que normalmente consomem — ou pagar o mesmo preço por um produto nacional inferior.

BASTA. Vamos nos unir nessa campanha. Boicote aos vinhos da Miolo e da Casa Valduga — e aos de qualquer produtor nacional de vinho que estejam apoiando restrições aos importados.

Em São Paulo, 4 de Abril de 2012

  1. Estou totalmente de acordo, Professor. E junto o meu BASTA a esta e outras medidas protecionistas brasileiras, não me esquecendo de lembrar que economias de outros paises são também bastante protecionistas.

    Curtir

  2. Pingback: Os Views dos Meus Artigos Aqui, « Liberal Space: Blog de Eduardo Chaves

  3. Pingback: Top Posts of this Blog for all time ending 2014-04-14 with number of views « * * * In Defense of Freedom * * * Liberal Space

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: