Dia da Bandeira

Fico me lembrando dos meus dias de criança, no Grupo Escolar “Prof. José Augusto de Azevedo Antunes”, em Santo André, SP, nos dias 19 de Novembro. Na aula, a professora discorria sobre a importância da bandeira como símbolo nacional e explicava o significado das formas e das cores da nossa bandeira, detendo-se na frase “Ordem e Progresso”, esclarecendo  o significado do número de estrelas e da estrela maior, separada, do outro lado  da faixa. Num determinado momento, todos nos reuníamos, a bandeira era hasteada e era cantado o “Hino à Bandeira”, com letra escrita por Olavo Bilac e música composta por Franciso Braga. O hino foi apresentando pela primeira vez em 9 de novembro de 1906. Eis a letra:

HINO À BANDEIRA

Salve lindo pendão da esperança!
Salve símbolo augusto da paz!
Tua nobre presença à lembrança
A grandeza daPátria nos traz.

Recebe o afeto que se encerra
em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Em teu seio formoso retratas
Este céu de puríssimo azul,
A verdura sem par destas matas,
E o esplendor do Cruzeiro do Sul.

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Contemplando o teu vulto sagrado,
Compreendemos o nosso dever,
E o Brasil por seus filhos amados,
poderoso e feliz há de ser!

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Sobre a imensa Nação Brasileira,
Nos momentos de festa ou de dor,
Paira sempre sagrada bandeira
Pavilhão da justiça e do amor!

Recebe o afeto que se encerra
Em nosso peito juvenil,
Querido símbolo da terra,
Da amada terra do Brasil!

Muito tempo depois, quando fui estudar nos Estados Unidos (1967), fiquei surpreso com a devoção que os americanos tinham para com sua bandeira (carinhosamente apelidade de “Old Glory”). Eles a hasteavam em suas casas nos feriados nacionais. Muitos deles andavam com um button da bandeira em suas lapelas.

É verdade que com os protestos contra a guerra no Vietnam a bandeira sofreu perda de respeito e afeto. Muitos americanos chegaram a queimar sua própria bandeira em frente ao Capitólio e à Casa Branca.

Terminada a guerra, com um desfecho que teve sabor de derrota, a bandeira, meio desprestigiada, foi aos poucos requistando o carinho e o respeito dos americanos. Em especial em locais ono interior do país, conhecidos pelo seu conservadorismo, elas voltaram a aparecer, cheias da Velha Glória, na frente das casas em dias cívicos.

Aqui no Brasil nunca senti muito carinho pela bandeira, exceto quando Ayrton Senna pegava uma bandeira e circulava com ela depois de uma vitória, ou quando algum esportista ou algum time brasileiro ganhava uma competição e se embrulhava na bandeira, ou, então, no Sete de Setembro, quando ela era hasteada no início das celebrações.

Quando a gente visita algum país estrangeiro, ou mora no exterior, e passa diante de algum prédio internacional, e vê a bandeira brasileira tremulando, a gente fica mais emocionado… Mas é alguma coisa momentânea.

Será que a existência desses símbolos nacionais, como bandeira, hino, brazão (armas), vão continuar ainda por muito tempo? Ou será que a globalização levará a uma internacionalização da vida a tal ponto que o nacionalismo e o patriotismo desaparecerão de vez?

Acabamos de ver um jogador, nascido no Brasil, cidadão brasileiro, convocado para a Seleção Brasileira e também para a Seleção Espanhola, optar por estar. Algumas pessoas chegaram a chama-lo de traidor, de calabar, etc., mas a maioria dos brasileiros parece ter achado natural e defensável a decisão dele.

Corredores de Fórmula 1 de vários países, inclusive os brasileiros (só nos resta o Massa) assumem residência em Mônaco, para pagar menos impostos. Há aqueles que adotam outra cidadania (mantendo ou não a brasileira) para se livrar de taxação abusiva.

No futebol (e até mesmo em outros esportes), troca-se de cidadania para poder jogar na seleção de outro país. Acredito que que Mazzola (apelido: nome de batismo José João Altafini), natural de Piracicaba, SP, foi o primeiro a fazer isso. Jogou na Seleção Brasileira campeã mundial de 1958, ficou famoso, foi contratado pelo Milan (depois passando pelo Napoli e pelo Juventus) e virou italiano, jogando, inclusive na Azurra, com o nome de Altafini. É o terceiro maior goleador all time na liga principal do futebol italiano.

Os países estão ficando mais tolerantes com dupla e tripla cidadania. Antes da atual Constituição, menores com dupla cidadania (por serem filhos de pais cidadãos de um país e nascerem em outro, como é o caso de minha filha Andrea, nascida nos EUA) tinham de optar por uma cidadania ao alcançar a maioridade. Hoje não. Minha filha (maior de idade, naturalmente) e suas filhas têm nacionalide americana e brasileira.

Imagino que isso vá se tornar mais e mais comum em um mundo globalizado. As pessoas viajam mais, trabalham mais em países que não é o seu, casam-se com pessoas de outros países, e isso vai fazendo com que o nacionalismo e o patriotismo arrefeça.

As pessoas vão ter várias lealdadas ligadas a diferentes locais geográficos. Sempre nascerão em algum lugar específico. Mas pode ser que logo se mudem para outro, e que venham a estudar num país, trabalhar em outro, casar-se com alguém de ainda um outro. Tenho um amigo brasileiro, casado com uma austríaca, que mora nos EUA. A filha deles é cidadã de três países e não tem maiores laços afetivos com nenhum deles. Casou-se com alguém que é cidadão de dois outros países. Seus filhos, quando os tiverem, e dependendo de onde nascerem, poderão ter opção de até seis cidadanias.  (Na hora de cometer um crime é conveniente, não é, Pizzolato?).

Brasileiros vão de deixar de torcer por um time de futebol de seu país para torcer para o Barcelona ou o Milan — como o pessoal do Norte e do Nordeste brasileiro torcia para o Flamengo ou para o Fluminense ou para o Botafogo nos tempos de antanho.

Em Fórmula 1, há muito tempo torço pelos alemães — Schumacher, primeiro, Vettel, agora. O fato de Massa brasileiro não significa absolutamente nada. Falta-lhe o carisma que sobrava em Senna e mesmo em Fittipaldi e Piquet. Barrichello só servia de piada, tristemente.

Em futebol, sou são paulino, mas gosto do Barcelona, do Milan, do Porto. . .  Em futebol americano e beisebol torço pelos times de Pittsburgh, onde estudei, os Steelers e os Pirates. No basquete torcia pelos Boston Celtics — hoje não torço para ninguém. Em hóquei, pelo Toronto Maple Leafs.

Em literatura, meus autores favoritos são Ayn Rand, Graham Greene, Mario Vargas Llosa e Isabel Allende. A primeira era russa, naturalizada americana; o segundo, inglês; o terceiro, peruano, mas com raízes na França, na Espanha, na Inglaterra e nos Estados Unidos; a quarta, chilena que viveu em vários países sul-americanos e hoje mora nos EUA, na California, casada com um americano.

Em política, admirei muito mais o Ronald Reagan e a Margareth Thatcher, dos EUA e do Reino Unido, do que qualquer político brasileiro de qualquer época — com a possível exceção, mais sentimental e intelectual, do Imperador Pedro II. Tenho uma enorme simpatia e admiração pela rainha Elizabeth II.

Falando especificamente do Brasil, sinto-me mais paulista do que brasileiro, mais preto, branco e vermelho do que verde e amarelo. Sinto-me em casa na pátria paulista, mas também me sinto em casa nos Estados Unidos e na Suíça. Como cidade, gosto de São Paulo, onde moro, de Campinas, onde morei cerca de 40 anos, e de Santo André, onde cresci dos 8 aos 18 — mas gosto mais de Genebra, onde, somando todo o tempo passado lá em inúmeras visitas, a trabalho e como turista, passei apenas cerca de um ano. Mas Genebra tem também a ligação emotiva com Calvino e a igreja reformada. E adoro Chaves, nos Trás-os-Montes, no Norte de Portugal, já perto ta Galizia — cidade de quase dois mil anos cujo nome carrego no meu.

Enfim, sinto-me, aos setenta anos, de certa forma um cidadão do mundo, um Weltbürger, que, se preciso, consegue morar e se sentir bem em diferentes partes do mundo. Acredito que as pessoas vão, mais e mais, se tornar assim, parcialmente desenraizados das cidades, dos estados (das províncias), dos países em que nasceram e enraizados, também parcialmente, em várias outras partes do mundo.

Quando o mundo se tornar assim, bandeiras não significarão grande coisa. Hinos, talvez, porque a música carrega componentes emocionais que um pedaço de pano não comporta.

Em São Paulo, 19 de Novembro de 2013.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: