Mobilidade, Redes Sociais e Escola

Ontem à noite (22/11/2012) tive o privilégio e o prazer de participar de um debate sobre “Mobilidade, Redes Sociais e Educação”, nas dependências da Editora Moderna, com transmissão pela Internet (som e vídeo) pela Moderna TV. Ele fez parte das atividades finais do WebCurrículo 2012 da PUC-SP, que são coordenados por Renata Aquino (que agora também faz parte do quadro de colaboradores da Moderna).

Moderado por Neli Mengalli, da Secretaria de Estado da Educação, o debate envolveu (no presencial) apenas minha amiga Alice Carraturi, hoje do Grupo ABC, e a mim. Mas muitos participaram do debate de forma virtual: MSN, Skype, chat, e-mail, etc.  

Vou tentar sistematizar, aqui e agora, o que disse, ontem, de forma não tão sistemática.

Embora não tenha tido nenhuma influência na escolha do tema, gostei bastante dele, porque me permitiu encaixar algumas pecinhas do quebra-cabeça “tecnologia e escola” que tem me desafiado por mais de 30 anos (desde 1980, quando asumi a direção da Faculdade de Educação da UNICAMP e comecei a me envolver nos projetos de uso dos computadores na aprendizagem, coordenados pelos Profs. Fernando Curado, do Instituto de Computação, e Raymond Paul Shepard, meu colega da Faculdade de Educação).

Há tempo que brinco com uma ideia: a de que as pessoas (e até as instituições) em geral são razoavelmente boas para detectar quais são seus inimigos. Uma pessoa casada que entre numa festa com seu cônjuge em geral é capaz de identificar, em pouco tempo, de maneira quase intuitiva, quem ali pode representar uma ameaça ao seu relacionamento. Um liberal identifica socialistas por pouquíssimos sinais – e, talvez, vice-versa. Trazendo essa reflexão para o assunto tema do debate, professores e escolas identificam com surpreendente eficiência quais são seus principais inimigos, especialmente quando a questão é tecnologia. E mobilidade e redes sociais claramenten estão entre esses inimigos.

É desnecessário insistir que, ao falar em mobilidade e redes sociais, estamos tratando de realidades que, hoje, existem por causa das tecnologias digitais, centradas no computador, que começaram a surgir a partir da invenção do ENIAC, apresentado ao mundo em Fevereiro de 1946.

Então vejamos.

I.  A MOBILIDADE

O que é mobilidade?

No sentido em que o termo nos interessa aqui, mobilidade não é, pura e simplesmente, a capacidade de se mover de um lugar para outro, ou de se locomover. Isso, até certo ponto, nossas pernas, em bom estado de funcionamento, já tornam possível — e as tecnologias de transporte, envolvendo a bicicleta, a moto, o carro, o ônibus, o metrô, o trem, o navio, o avião, estendem e ampliam essa capacidade. Outros animais, como o cavalo, também fazem isso.

Mobilidade, no sentido em que o termo nos interessa aqui, é a capacidade de fazer algo a partir de qualquer lugar (anywhere), em qualquer momento (anytime). Ou seja, a capacidade de fazer algo independente de onde estamos e da hora (ou do dia). No caso da educação, mobilidade é “lifelong, anytime, anywhere learning“: a possibilidade de aprender sempre, a qualquer hora, em qualquer lugar, ao longo da vida toda. Ou a educação ubíqua, da hora em que a gente nasce até o momento da nossa morte, amém.

Essa mobilidade hoje é viabilizada pelas tecnologias digitais móveis, em especial os smart phones, os tablets e os notebooks — equipamentos que são todos parentes muito próximos uns dos outros e do computador digital.

Num passado remoto (digamos por volta de 1950, quando entrei na escola, a televisão chegou ao Brasil e nossa seleção perdeu a Copa do Mundo para o Uruguai em pleno Maracanã), nossa mobilidade (no sentido definido) era mínima.

Para fazer um telefonema de Santo André (onde eu morava) para Campinas (onde minha avó materna morava) minha mãe tinha de se dirigir à Central da Companhia Telefônica Brasileira – CBT (e só havia uma central em Santo André), pedir à telefonista que fizesse uma ligação para a casa da minha avó (que, mais bem de vida, porque meu tio trabalhava na CBT, tinha telefone em casa), e esperar – às vezes mais de duas horas. Não havia micro ondas, os circuitos eram poucos, quase nada era automático, e a qualidade da comunicação, uma vez estabelecida, péssima, cheia de ruídos esquisitos. Naquela época era inconcebível – inimaginável mesmo – que pudéssemos fazer um telefonema para qualquer lugar do mundo enquanto andávamos pela rua (ou, pior, enquanto dirigíamos um carro – mas eu nem sabia dirigir então: pouca gente tinha carro naqueles anos que antecederam o governo JK).

Com a expansão da rede de telefonia (meu tio, Anello Sanvido, teve participação nesse processo, instalando estações de micro ondas na serra do Japi, na região de Cabreúva), e a consequente popularização dos telefones fixos, conseguimos uma linha em casa e, então, podíamos chamar minha avó a partir de casa, sem precisar ir ao centro de Santo André. Mas, inicialmente, ainda precisávamos usar os serviços da telefonista. Depois surgiu a “discagem direta” e, ainda depois, a “discagem direta à distância”, o famoso DDD que, como sigla, ainda está conosco até hoje. O DDI, “discagem indireta internacional”, só veio muito depois.

Mas o telefone fixo, apesar de ter facilitado muito a nossa vida, não nos deu mobilidade no sentido em que o termo está sendo usado aqui. Esta só chegou com o telefone móvel, aquilo que em Portugal se chama de telemóvel e aqui se chama de celular. Com ele, podemos não só fazer telefonemas para qualquer lugar do mundo (inclusive para telefones fixos) a partir de qualquer lugar (anywhere) e a qualquer momento (anytime), como também podemos, usando sua versão dita “esperta” ou “inteligente” (smart), e também a partir de qualquer lugar e a qualquer hora, enviar e receber mensagens instantâneas de texto, até mesmo mesmo com fotos, aceder à Internet, nos orientar no espaço (através do GPS), consultar endereços, fazer anotações (que são imediatamente sincronizadas com nosso computador principal), saber que horas são (o celular substituiu os relógios de pulso), ser notificados de eventos (o celular substituiu as agendas e os relógios despertadores),  ouvir música (ou rádio), tirar fotos (que são imediatamente enviadas para as redes sociais), baixar filmes e assistir a eles, etc.

O celular é a tecnologia digital símbolo da mobilidade.

Com tantos recursos, não é de surpreender que a maioria das escolas proíba seus alunos de usa-los dentro delas — ou mesmo de traze-los para dentro delas. Como disse atrás, os professores e as escolas são rápidos e eficientes para identificar seus inimigos… (Mas mais sobre isso adiante).

II. AS REDES SOCIAIS

Ontem no debate alguém disse (como Jesus um dia disse acerca dos pobres) que “as redes sociais sempre as tivemos conosco”. Sem dúvida. A família é uma rede social, a comunidade outra, e assim vai. O fenômeno que interessa aqui são as redes sociais possibilitadas e viabilizadas pela tecnologia digital, que nos permitem entrar em contato com pessoas de qualquer lugar do mundo e interagir, conversar, dialogar, discutir e colaborar com elas — além, naturalmente, de trocar informações, fotos, vídeos, etc.. Combinadas com as tecnologias digitais móveis, podemos fazer isso a partir de qualquer lugar e a qualquer hora…

O FaceBook disponível em um smartphone potente, como o iPhone ou seus concorrentes que usam Android ou Windows, é o símbolo desse tipo de rede social.

Novamente, não é de surpreender que a maior parte das escolas proíba seus alunos de usar o FaceBook dentro da escola a partir de seus celulares — que em regra também são proibidos. Nos computadores da escola disponíveis para os alunos o FaceBook não raro está bloqueado. Como disse antes, os professores e as escolas são fantásticos em sua capacidade de identificar seus inimigos…. (Ainda falarei mais sobre isso adiante).

III. A ESCOLA

O tema de debate era, em última instância, a educação. Parece-me não haver dúvida de que a mobilidade e as redes sociais são aliadas poderosas de alguns tipos de educação — como, por exemplo, dos vários tipos de educação não-formal, que têm lugar  fora da escola, através das interações diversas que mantemos uns com os outros. Mas não era esse tipo de educação que os organizadores do debate tinham em mente: eles estavam pensando na educação formal, isto é, na educação escolar — vale dizer, na escola. Por isso, nesta seção vou falar apenas dela.

Parece-me que, hoje, as pessoas, em geral, inclusive os professores, quando estão fora da escola, dão grande valor à mobilidade e à interação que as redes sociais viabilizam e facilitam.

Afinal de contas, no Brasil há mais telefones celulares do que gente. A mobilidade é uma das expressões da nossa liberdade. Mais do que isso: ela nos garante um espaço de liberdade totalmente nosso, próprio, privado… Por isso muita gente protege seus celulares com senhas complicadas e não gosta que os outros metam o bedelho neles. (Muitos gostam de, de vez em quando, vasculhar os celulares de seus namorados, amantes e cônjuges, para verificar se, na liberdade privada que os celulares lhes proporcionam, eles não violaram seus compromissos afetivos, um telefonema, um torpedo, um e-mail sendo o registro da indiscrição…).

No tocante às redes sociais, nada menos do que um bilhão de pessoas (ou seja, cerca de 15% dos habitantes do mundo) tem uma conta ativa em apenas numa delas, o FaceBook: isto é, mantêm ali um perfil e uma linha do tempo que são regularmente atualizados com informações, check-ins, fotos, vídeos, clips de vários tipos, relatórios de jantares e viagens, declarações de amor, etc. As redes sociais estendem e ampliam os limites do nosso mundo. Há gente que se apaixona por uma pessoa que encontrou no FaceBook, que mora do outro lado do mundo, e que, muitas vezes, tem uma língua materna totalmente diferente e uma cultura que… Deus me livre! (Peço desculpas aos multiculturalistas e outros relativistas…).

A escola, em contraste, simplesmente não gosta dos celulares (mobilidade) e do FaceBook (redes sociais). Por isso os proíbe dentro da escola, com pleno apoio dos professores. As razões para esse fato são muito simples e fáceis de compreender. Passo a resumi-las em seguida.

a) A Escola, a Mobilidade, e a Liberdade

A escola talvez seja, em nossa sociedade, a instituição menos sensível ao nosso deseja e à nossa necessidade (hoje imperiosos) de mobilidade — e menos sensível ao nosso desejo e à nossa necessidade de liberdade.

Primeiro, a escola é obrigatória numa faixa etária que cada vez se torna mais ampla. No início, a escola não era obrigatória. Depois ficou obrigatória dos sete aos dez anos. Depois, dos sete aos quatorze. Hoje, aqui no Brasil, dos seis aos quatorze. Há gente já lutando para que a obrigatoriedade se estenda dos seis aos dezessete, abrangendo todo o Ensino Fundamental e o Ensino Médio. E há quem lute pela obrigatoriedade da Educação Infantil.

Além disso, o tempo de permanência diária na escola também tem aumentado. Quando eu frequentei a Escola Primária, no início da década de 50, eram três horas (das quais cerca de meia hora, no mínimo, se perdia com entrada, recreio e saída). Depois passou para quatro, para cinco… Há gente já lutando para que as crianças em idade escolar fiquem na escola nada menos do que o dia inteiro, em período integral — e que se reduza, na escola, o tempo que seria “desperdiçado”, isto é, ou passado fora da sala de aula ou, dentro da sala de aula, usado para qualquer outra coisa que não seja aula…

Mas isso não basta: há gente que acha que é preciso aumentar a quantidade dos dias letivos. Eles já foram 160, passaram para 180 e, depois, para 200, onde estão hoje… E há quem lute para que cheguem a 220, quem sabe 245 (para que a gente, segundo consta, ultrapasse o Japão…).

A escola está virando uma prisão com uma “sentença de doze anos” (título de um livro sobre a escola: The Twelve-Year Sentence) em que, diferentemente das prisões de regime aberto, as crianças só não vão dormir lá… E isso durante o período mais bonito de suas vidas, dos seis aos dezessete anos, em que elas estão no auge de sua energia, de sua curiosidade e de sua capacidade de aprender… Período em que poderiam estar fruindo a vida e, ao mesmo tempo,  aprendendo, fora da escola, uma enormidade de coisas que despertam sua curiosidade e o seu interesse e que lhes serão extremamente úteis no futuro!

E a escola acredita que os alunos, seus detentos, não têm absolutamente nada que contribuir para ela além de seus corpos e, espera ela, a atenção de suas mentes… Por isso não lhes dá nenhuma liberdade de decidir o que farão, uma vez dentro da escola, e o que aprenderão, durante seu tempo de confinamento…

A escola não admite nenhuma mobilidade e liberdade na aprendizagem de seus alunos. Se os alunos ficassem amarrados às carterias, com esparadrapo fechando suas bocas, muita escola acharia isso ótimo. (Muitos dirão que exagero aqui…). 

A escola determina que, para fazer o que ela quer que façamos e aprender o que ela deseja que aprendamos, saiamos de nossas casas, em horários às vezes madrugatícios, para ir até ela (da mesma forma que em 1950 tínhamos de sair de nossas casas para ir até a Central Telefônica para ligar para a avó), em horários rigidamente fixados (para alegria de muitos alunos, depois de dez minutos de atraso eles são proibidos de entrar). Quando o nosso tempo diário lá termina, somos colocados para fora (também para grande alívio dos alunos). Depois de passar um certo número de anos lá, também somos colocados para fora (graduamos ou somos jubilados, por exemplo).

Felizmente ninguém ainda inventou a moda de que, porque se admite, hoje, que a educação dura a vida inteira, a gente deva passar a vida inteira na escola…

E a escola não deixa os alunos, enquanto estão lá dentro, manter contato com o mundo exterior, com a vida que existe lá fora, através de seus celulares e das redes sociais.

b. A Escola, Estruturas Hierárquicas Piramidais e Redes Horizontais Flat

Se desconsiderarmos o Exército e a Igreja Católica, a escola (em especial a pública) talvez seja a estrutura organizacional mais hierárquica, numa forma piramidal, que temos no Brasil (quiçá no mundo): um ministro da Educação lá em cima; vinte e sete secretários estaduais da educação, um em cada unidade da Federação; diretores regionais (quase uma centena no Estado de São Paulo); diretores de escolas; professores. Paralelamente à cadeia de comando, propriamente dito, há órgãos ou pessoas com funções normativas ou de assessoria: um Conselho Nacional da Educação, vinte e sete Conselhos Estaduais da Educação, Conselhos Municipais da Educação (nem todos os municípios), e, dentro da escola, Coordenação Pedagógica (às vezes ramificada em várias).

Na sala de aula, o professor é a autoridade maior. Ali naquele pedaço do sistema ele manda.

Na extremidade, o aluno, que não apita nada sobre nada. Nem sobre que roupa ele usa para ir à escola nem sobre se pode ir ao banheiro da escola quando ele, digamos, está precisando (ou simplesmente querendo tomar um ar — num Congresso a gente muitas vezes sai da sala só para isso).

As redes são estruturas flat, achatadas, mais horizontais do que verticais. Embora uma rede social como o FaceBook tenha um comando, que define as características da rede e as normas para sua utilização, em princípio a participação na rede é livre: torna-se membro quem quer, e o membro escolhe ou aprova os seus contatos (chamados erroneamente de “amigos”) e interage com eles quando e como desejar. Há participantes que são muito seletivos em relação aos seus contatos, outros que são muito liberais, aceitando quase qualquer pessoa que queira participar de sua “rede pessoal de contatos”. Há participantes que postam muito e aqueles que raramente põe a cara na rede. Para cada postagem sua, você pode escolher quem vai recebe-la ou ve-la. Os relacionamentos são horizontais, não piramidais, não havendo cadeia de comando.

As redes sociais são, portanto, o oposto da escola, da mesma forma que a mobilidade também o é.

c. Enfim…

A mobilidade (através principalmente dos celulares) e as redes sociais (hoje usadas em boa parte através de celulares) estão aqui. Elas são nossa principal forma de contato com a tecnologia hoje em dia.

As escolas também estão aqui — e há bem mais tempo. Todos nós passamos por elas. Embora haja computadores (em geral desktops) na maior parte das escolas hoje, os celulares e as redes sociais ainda são em grande parte proibidos lá dentro.

É esse o quadro.

É bom que haja clareza sobre esse quadro: trata-se de uma batalha. Os professores e as escolas sabem disso. Sabem que, se a escola perder essa batalha, ela, apesar de sua ubiquidade, ficará com os dias contados. Pelo menos na forma em que hoje a conhecemos.

A maior parte dos professores e das escolas, embora saibam disso, não admitem publicamente que o sabem. Seu discurso público é de que é preciso admitir a tecnologia na escola “mas com calma e bom senso”. A virtude, dizem, está no meio: em deixar a tecnologia entrar na escola, mas no ritmo da escola e só até certo ponto, sendo direito e obrigação da escola regulamentar o seu uso para que ele não acabe por descaracterizar a escola.

Ana Teresa Ralston, ex-gerente de educação da Microsoft e diretora de tecnologia da Abril Educação, uma vez disse, numa discussão sobre tecnologia, redes sociais e a escola, que esta (a escola) tem uma estratégia terrivelmente eficiente: deixar que aquilo que inicialmente não é escola entre na escola, mas engolir o que é novo e diferente, digeri-lo, e regurgita-lo na forma de escola… Em outras palavras: a escola aparentemente não resiste, ela apenas domestica, remove as presas e as garras, amansa, torna o bicho inofensivo, incapaz de atacar…

Será que é disso que precisamos? De uma tecnologia domesticada e amansada? Ou será que precisamos de uma tecnologia que desafia e subverte, que sugere novos caminhos, que obriga a escola, esse resquício semi-fabril da Sociedade Industrial, a se reinventar?

IV. “HOW PEOPLE LEARN” (título de um livro: Como as Pessoas Aprendem)

A pressão cresce para que a sociedade como um todo se torne educativa em vez de simplesmente ampliar o raio de ação da escola: sociedade educativa e desescolarizada

Ivan Illich, em 1971, lançou o brado pela desescolarização da sociedade (Sociedade sem Escolas, talvez a maior crítica à institucionalização da educação em escolas) — em favor da ubiquidade de uma função educacional em todas a vida social…

Paulo Freire, amigo de Illich, nos alertou para o fato de que ninguém educa ninguém, mas tampouco alguém é capaz de se educar sozinho: todos nós nos educamos uns aos outros, disse ele, através da interação, da conversa, do diálogo, da discussão, com a mediatização do mundo (não da escola).

Pesquisadores altamente credenciados pesquisam e nos dizem “como as pessoas aprendem”. Em seu livro How People Learn John Bransford, hoje da Universidade do Estado de Washington, nos Estados Unidos (que fica pertinho da Microsoft), nos mostra como crianças aprendem: não através do ensino, mas vendo os outros fazer coisas que lhes parecem interessantes, decidindo tentar fazer essas coisas, tentando, falhando, tentando de novo, recebendo apoio e ajuda, tentando de novo até conseguir, e, em alguns casos, até alcançar o nível de “alto desempenho” (high performance). “Ninguém educa ninguém”. Ninguém precisa nos ensinar a aprender (um contrassenso). Nascemos sabendo como aprender. E nascemos sabendo que precisamos dos outros para aprender. Mas não precisamos que nos ensinem: precisamos que nos ajudem, apoiem, instiguem, facilitem às vezes, problematizem outras vezes, que sejam nossos coaches, nossos mentores, quem sabe de vez em quando nossos conselheiros e orientadores… Mas a aprendizagem é nossa, bem nossa, só nossa, não podemos deixar que continuem tentando a rouba-la de nós.

Por que precisamos nos educar?

Precisamos nos educar porque (diferentemente de algumas outras espécies animais) nós, humanos, nascemos basicamente inacabados, incompletos, totalmente incapazes de fazer qualquer coisa, a não ser aprender… Se alguém não cuidar da gente, por algum tempo, não sobrevivemos. Enquanto cuidam de nós, nós cuidamos de aprender, com aqueles nos rodeiam.

Aprender não é assimilar ou absorver informações e conhecimentos que nos são repassados ou transmitidos pelas gerações mais velhas. Aprender é construir capacidades, tornar-se capaz de fazer coisas que antes não conseguíamos fazer. Aprender é, em outras palavras, desenvolver competências e habilidades – é nos desenvolver a nós mesmos, com a ajuda dos semelhantes.

E para que nos educamos?

Educamo-nos para que não nos tornemos parasitas permanentes, dependendo o tempo todo dos outros, sejam eles os pais, a família ou o governo. Educamo-nos para nos tornar, primeiro independentes, mas, em última instância, livremente interdependentes. Aprendemos para alcançar nossa realização (vale dizer, felicidade, ou eudaimonia, como diziam os gregos) como pessoas, como profissionais, como cidadãos.

O foco da educação é o futuro, não o passado.

Para saber o que precisamos aprender é preciso definir aonde queremos chegar com o nosso desenvolvimento. Essa definição, felizmente, não é necessariamente feita pela natureza (como no caso de algumas espécies animais) nem pelos outros (a menos que os deixemos fazer isso por nós): ela é feita em grande medida por nós. Cada um deve decidir por si próprio (o que não quer dizer que seja sem ajuda, apoio, orientação e aconselhamento) qual é o seu projeto de vida, o que quer fazer de sua vida, qual é o seu futuro…

A definição do que devemos aprender depende dessa decisão prévia. É verdade que há algumas competências e habilidades que, numa sociedade complexa e desenvolvida como a nossa, todos devem desenvolver: dominar a língua materna, em sua forma oral e escrita, comunicar-se efetivamente com os outros, argumentar, ser capaz de defender os próprios pontos de vista e as linhas de ação escolhidas e convencer os outros de que são, conforme o caso,  verdadeiros, bons, dignos, justos, belos, sustentáveis…

E é preciso reconhecer que somos diferentes uns dos outros. Por isso, devemos aprender coisas diferentes, e devemos aprende-las em ritmos e de maneiras diferentes…

A camisa de força da escola que quer que todos aprendam a mesma coisa, na mesma idade, do mesmo jeito, se um dia funcionou na era industrial em que os parâmetros eram a padronização e a massificação (padronizar para massificar), não vai mais funcionar numa sociedade em que as pessoas são livres, podem fazer o que querem, onde e quando quiserem, interagindo com seus semelhantes e respeitando seus iguais direitos. Hoje o foco é  a personalização da educação — e a tecnologia pode nos ajudar a alcançar escala nessa personalização (ou “customização”), sem precisar recorrer à padronização e à massificação.

Nesse quadro, ou a escola se reinventa, ou ela, sempre acostumada a devorar, digerir e domesticar os desafios, desta vez será engolida por eles. Da mesma forma que os tutores pessoais privados foram um dia por ela engolidos.

 

Em São Paulo, 23 de Novembro de 2012.

  1. Muito bom ler o artigo, Eduardo. A escola precisa de ajuda para compreender o universo das redes sociais e não tentar domesticá-lo ou aprisioná-los nas redes sociais customizadas isolacionaistas que tem criado, gastando rios de dinheiro e tendo pouquíssimos resultados efetivos de aprendizagem.

    O debate sobre o tema redes sociais, mobilidade e educação foi o recorde de backchannel (conversas via redes, blog e chats) de todos os eventos Web Currículo online desde 2008 e isso mostra o quanto os professores estão interessados nos pontos de vista trazidos ali.

    Curtir

  2. Mandou bem Eduardo (como sempre). Já passou da hora de derrubarmos os muros dos “Carandirus-Escola” e tratarmos a Educação como um porjeto social e não apenas como “uma etapa de adestramento”.
    Continuemos na luta…

    Curtir

  3. A adoção das redes sociais em sala de aula exige confiança no outro e a troca de atenção. Na sala de aula, hoje, faz-se exatamente o contrário: o aluno procura fugir à atenção do professor, porque pode significar a sanção, punição ou chamada de atenção para o erro. O Professor ainda não está minimamente preparado, também, para os grupos de aprendizagem, onde se trabalha em colaboração para o grupo e para si próprio. Esta inteligência de grupo deve aprender-se desde tenra idade na escola, o que raramente acontece! Ora, este conhecimento partilhado nas redes, deixa de pertencer ao professor, porque os alunos acedem, eles próprios, a informação vasta, deixando aparentemente para segundo plano a atenção sobre o professor e, isto, tem implicações na detenção do seu saber.

    Curtir

  4. Pingback: Mobilidade, Redes Sociais e Escola « Educação e Tecnologia

  5. Muito bom e melhor ainda saber que possui muitos profissionais na área preocupados, pois ainda não conseguimos descobrir ou inventar esse método em que o uso da tecnologia na escola se torne seguro, já que a tecnologia está agindo de forma muito veloz.(nessa corrida estamos quase sem chance de alcançá-los)

    Curtir

  6. Pingback: Artigo sobre o debate online Mobilidade, Redes Sociais e Escola « III Web Currículo

  7. Pingback: Mobilidade, Redes Sociais e Escola | Educação, EaD e Games | Scoop.it

  8. Pingback: Os Views dos Meus Artigos Aqui, « Liberal Space: Blog de Eduardo Chaves

  9. Pingback: Top Posts of this Blog for all time ending 2014-04-14 (Summarized) « * * * In Defense of Freedom * * * Liberal Space

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: