Outono

O Outono começa hoje, pelo que consta. É minha estação favorita.

Talvez porque, por não gostar de calor, sinto um grande alívio ao constatar que a temperatura começa a esfriar: entramos na reta em direção ao Inverno.

Talvez também porque, depois de viver vários anos no Hemisfério Norte, me acostumei a identificar o Outono com a combinação das lindas cores das folhas das árvores: amarelo, vermelho, roxo, marrom quase.

Ou, talvez, porque o Outono represente, depois da irresponsabilidade da Primavera e da exuberância do Verão, o tempo da culminância do amadurecimento — da idade mais que adulta…

A Primavera seria a adolescência, o Verão a idade adulta, o Outono a idade madura, mais que simplesmente adulta, o Inverno a velhice que chega fria e inexorável, prenunciando o fim.

Bom Outono a todos — inclusive, e especialmente, aos adolescentes.

Em São Paulo, 20 de Março de 2012

Despedida do TREMA

Recebi pela Internet… É interessante.

———-

Estou indo embora. Não há mais lugar para mim. Eu sou o trema. Você pode nunca ter reparado em mim, mas eu estava sempre ali, na Anhangüera, nos aqüiféros, nas lingüiças e seus trocadilhos por mais de quatrocentos e cinqüenta anos.

Mas os tempos mudaram. Inventaram uma tal de reforma ortográfica e eu simplesmente tô fora. Fui expulso pra sempre do dicionário. Seus ingratos! Isso é uma delinqüência de lingüistas grandiloqüentes!

O resto dos pontos e o alfabeto não me deram o menor apoio… A letra U se disse aliviada porque vou finalmente sair de cima dela. Os dois pontos disse que eu sou um preguiçoso que trabalha deitado enquanto ele fica em pé.

Até o cedilha foi a favor da minha expulsão, aquele C cagão que fica se passando por S e nunca tem coragem de iniciar uma palavra. E também tem aquele obeso do O e o anoréxico do I. Desesperado, tentei chamar o ponto final pra trabalharmos juntos, fazendo um bico de reticências, mas ele negou, sempre encerrando logo todas as discussões. Será que se deixar um topete moicano posso me passar por aspas? A verdade é que estou fora de moda. Quem está na moda são os estrangeiros, é o K, o W “Kkk” pra cá, “www” pra lá.

Até o jogo da velha, que ninguém nunca ligou, virou celebridade nesse tal de Twitter, que aliás, deveria se chamar TÜITER. Chega de argüição, mas estejam certos, seus moderninhos: haverá conseqüências! Chega de piadinhas dizendo que estou “tremendo” de medo. Tudo bem, vou – me embora da língua portuguesa. Foi bom enquanto durou. Vou para o alemão, lá eles adoram os tremas. E um dia vocês sentirão saudades. E não vão agüentar.

Nos vemos nos livros antigos. Saio da língua para entrar na história.

Adeus,

(a) Trema

———-

Em Cape Town, 24 de Outubro de 2010